Coluna do Presidente

O que esperar dos “novos” políticos

Acabaram-se as eleições e estamos com o novo presidente do Brasil, novos senadores, deputados federais, estaduais e governador de Mato Grosso, ainda sem a certeza do que vai ocorrer com o nosso País. Foram eleitos candidatos com perfis diferentes. Vimos muitos políticos com musculatura eleitoral declinando. Foi uma eleição definida às vésperas da data final, que nos trouxe um sentimento de surpresa e difícil de descrever.

Quais são nossas expectativas diante de uma disputa acirrada de partidos antagônicos duelando? Esta é a reflexão que todos devem fazer e utilizar seu Sindicato como meio de fazer chegar aos políticos nossas necessidades. Afinal, não podemos nos esquecer de que fatos muitos importantes, tais como as investigações de corrupção, continuam em andamento no cenário político, bem como as muitas reformas necessárias que estão e continuarão sendo discutidas em 2019. E assim, nós cidadãos, nos dividimos em esperar o melhor, pois somos brasileiros esperançosos, mas nossa preocupação se manterá intacta. Ainda não sabemos claramente o que pode ocorrer no nosso país, principalmente na economia, que acredito que seja o que vai mover todas as outras importantes áreas.

Mas nós estamos atentos. Três dias após as eleições, já tivemos um breve diálogo com o governador eleito, Mauro Mendes, Jayme Campos – eleito senador e o deputado estadual Dilmar Dal Bosco, em uma reunião com diversos representantes do comércio, da indústria e da agricultura, realizada na CDL Cuiabá, no dia 10 de outubro, quando os empresários ouviram o que mais queriam: que o governador a assumir de 2019 a 2022 irá fazer o possível para evitar qualquer aumento de impostos e aproveitar da melhor maneira possível o potencial de crescimento econômico e as estruturas que o Estado já tem.

Como representante do setor de combustíveis em Mato Grosso, o Sindipetróleo aproveitou para reforçar a necessidade de se combater incansavelmente a sonegação, para então passar a estudar a redução de impostos. No âmbito nacional, os entendimentos convergem para a unificação do ICMS cobrados pelos estados, uma ideia que o Sindipetróleo apoia e precisaremos de todo o apoio parlamentar para defender esta bandeira. Cada político no qual você, revendedor, votou tem que saber como funciona e quais as demandas do nosso setor, que é o maior arrecadador de ICMS. Contamos com seu apoio nesta caminhada!